25 de abril

Eu não sinto vontade de postar, mas para não passar tanto tempo sem deixar nada e misturando os assuntos, finalmente tomei a primeira dose da vacina contra a covid-19, e aguardo ansiosamente pela segunda, da mesma forma que muitos, ainda, pela primeira.
Não vejo a hora dessa pandemia acabar.
Às vezes aqui na praia falta luz, e quando volta é aquela gritaria de felicidade porque a luz voltou, como se fosse um gol, imagino, ou tento imaginar, quando cessar essa praga, como será o grito de cada um de nós no mundo.

O Grêmio está de técnico novo, finalmente!
Não aguentava mais o estilo do técnico antigo. Saiu o treinador, ficou o ídolo. Ponto.
As conquistas passadas estão no armário, Copa do Brasil 2016 e Libertadores 2017. Que venham novas.

E sigo cada vez mais vendo séries e mais séries no Netflix.
Ponto Cego, Unidade 42, Retaliação, Warrior Nun, À Louva-A-Deus, Marcella, DeadWind, Capitani, Wanted, Emily Em Paris, Ginny E Georgia, Marvel: Jessica Jones e Bordertown.
Em negrito, completas, cada uma com três temporadas.

Hoje fui à missa, senti necessidade de estar presente, e fui, liguei para a igreja, dei o meu nome e compareci. A Igreja está em obras e só pode receber 25 pessoas por missa, mesmo assim faltaram alguns.
Aqui na praia tem igreja, mas eu me sinto bem na Igreja do Porto, a Paróquia Sagrado Coração de Jesus. Recebeu o apelido do Porto porque fica no bairro de mesmo nome.