Onze anos

Oi, boa noite, entrando agora no meu blog, e para ver se havia curtidas ou comentários, mas havia uma mensagem de felicitações do WordPress por ter escolhido o programa a onze anos atrás.
Esse não foi o primeiro blog dessa conta, apaguei os outros, mas quando voltei criei esse e desde 2015 estou com o blog no ar.
O nome Koisas com K não existe, mas conversando com um amigo ele me disse que todo mundo sabe disso, e que eu o mantivesse como uma marca. Nome que veio do meu outro blog no Blogger, Koisas e Coisas, mas quando me indignei, lá, e mudei o nome, perdi todo o meu arquivo.
Não sei o que aconteceria no WordPress, que ainda não me animei a alterar nada.
Já havia comentado isso ou parecido.
Por muitos anos fiquei apenas com o cadastro sem nada a fazer por aqui, e andando por outras redes.

***
Depois que surgiu esse grupo Olhares Sobre Pelotas, passando mais algum tempo por lá, já até havia desistido do Facebook, entrava o mínimo possível, mas como tudo, há sempre algumas pessoas que entram para outros fins. Difícil criar um grupo aberto como se quer, mesmo assim, mesmo sendo sobre Pelotas, lançam também memórias sobre outros assuntos que não tem nada a ver com a cidade, mas que todo mundo comenta, e participa de forma gostosa.

Um certo grupo e lembranças

Fazia um tempo que eu não usava tanto o Facebook como no dia de hoje, mas é que eu fui convidado por uma amiga, a Carmen Beatriz e resolvi aceitar, e passei a tarde curtindo, comentando, e recordando o passado de Pelotas e outros momentos, e com isso me divertindo com o grupo Olhares Sobre Pelotas – Grupo.
Recordações como A Banda do Colégio Gonzaga, tricampeã nacional, que salvei em foto, no meu computador, para poder recordá-la.

Pena que o editor mudou, antigamente bastava digitar sem complicações, postar foto ou se no HTML alguns comandos, hoje em dia, esse post ficou mais complicado, cada vez que entro nesse post para editar tenho que copiar o que, felizmente, salvei antes no bloco de notas, porque o WordPress resolveu complicar.
Por que deixar o simples se podemos complicar?
Não, WordPress, eu não gostei desse editor, poderiam ter deixado uma opção num canto qualquer para quem quisesse seguir pelo modelo antigo.
E eu seria um, já que gosto tanto do serviço, mas não dessa opção.

10 e 60

Assisti ontem o jogo Brasil 4 X 1 Itália, decisão da Copa de 70 no México com gols de Pelé, Gérson, Jairzinho e Carlos Alberto para o Brasil e Boninsegna para os italianos. Pelé abriu o escore, Boninsegna empatou, e no segundo tempo Gérson, Jairzinho e Carlos Alberto finalizaram para o Brasil.
Dez porque eu tinha dez anos, sessenta porque é a minha idade atual.
Não escondo idade.
Na minha opinião foi a seleção show que o Brasil teve, apesar que nesse jogo, revendo após cinquenta anos, alguns jogadores foram fominhas demais, mas sem nomes, e os melhores em campo foram Gérson e Clodoaldo, mais, O Brasil conquistou o tricampeonato.

Para quem quiser rever aquele jogo ou ver pela primeira vez, abaixo está a conquista do tricampeonato. Em 1970 os jogadores podiam atrasar a bola para o goleiro e este pegar com as mãos.

No vídeo estão as escalações de ambas as equipes por ordem numérica da camiseta dos jogadores.

***

O jogo foi revisto pelo YouTube.

Grandes pilotos de F1

Alguns grandes pilotos da Fórmula Um, F1, do passado muito distante, de ouvir falar e da época que eu curtia essa modalidade, pela ordem que salvei as fotos: Alain Prost, Ayrton Senna, Clay Regazzoni, Emerson Fittipaldi, Gilles Villeneuve, Graham Hill, Jacques Laffite e Rene Arnoux, James Hunt, Michael Schumacher, Nélson Piquet, Nigel Mansel, Niki Lauda e Ricardo Patrese, e provavelmente mais alguns que no momento não lembro, e abaixo as montagens dos mesmos, feitas aqui com fotos da internet.

Combinacao01

Combinacao02

Combinacao03

Hoje já não acompanho mais essa modalidade, porque os grandes pilotos brasileiros, para mim, ficaram no tempo.

 

Letra com tradução

Michael Sembello (Maniac)

Maniac
Michael Sembello

Apenas uma garota da cidade de aço em uma noite de sábado
Just a steel town girl on a Saturday night

Procurando a luta de sua vida no mundo em tempo real
Looking for the fight of her life in the real time world

Ninguém a vê em tudo que todos dizem que ela é louca
No one sees her at all they all say she’s crazy
Ritmo de bloqueio para a batida de seu coração
Locking rhythm to the beat of her heart

Mudando o movimento para a luz
Changing movement into light

Ela dançou na zona de perigo
She haS danced into the danger zone

Quando a dançarina se torna a dança
When the dancer becomes the dance
Pode te cortar como uma faca se a luta se tornar o fogo
It can cut you like a knife if the fight becomes the fire

No fio entre a vontade e o que será
On the wire between will and what will be
Ela é um maníaco, maníaco no chão (eu sei)
She’s a maniac, maniac on the floor (I sure know)

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before

Ela é um maníaco, maníaco no chão (eu sei)
She’s a maniac, maniac on the floor (I sure know)

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before
Ela é maníaca, maníaca no show,
She’s a maniac, maniac at the show,

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before

Ela é um maníaco, maníaco no chão (eu sei)
She’s a maniac, maniac on the floor (I sure know)

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before
Na linha azul da insanidade é um lugar que a maioria nunca vê
On the ice blue line of insanity is a place most never see

É um lugar difícil de mistério, toque, mas não pode segurá-lo
It’s a hard won place of mystery, touch it but can’t hold it

Você trabalha toda a sua vida, para esse momento no tempo
You work all your life, for that moment in time

Pode vir ou passar por você, é um mundo de empurrão
It could come or pass you by it’s a push shove world

Mas sempre há uma chance de a fome continuar a noite
But there’s always a chance if the hunger stays the night
Há um calor cinético frio
There’s a cold kinetic heat

Lutando alongamento para o pico
Struggling stretching for the peak

Nunca parando com a cabeça dela contra o vento
Never stopping with her head against the wind
Ela é um maníaco, maníaco no chão (eu sei)
She’s a maniac, maniac on the floor (I sure know)

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before

Ela é um maníaco, maníaco no chão (eu sei)
She’s a maniac, maniac on the floor (I sure know)

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before
Pode te cortar como uma faca se a luta se tornar o fogo
It can cut you like a knife if the fight becomes the fire

No fio entre a vontade e o que será
On the wire between will and what will be

Ela é um maníaco, maníaco no chão (eu sei)
She’s a maniac, maniac on the floor (I sure know)

E ela está dançando como se nunca tivesse dançado antes
And she’s dancing like she’s never danced before

***

Fonte: internet

Julho em andamento

Esse começo de julho foi um mês de muita leitura, terminei um livro que estava encalhado há mais de dois anos, e li três livros em onze dias, agora já abri um outro pra ler, mas como acabei Branco Letal, de Robert Galbraith, ontem, vou tentar dar uma pausa por mais alguns dias, se conseguir, para começar Quando Você Voltar, de Kristin Hannah, e assim sendo, vou ter que passar a procurar novos e-books para comprar ou reler antigos, até porque nunca reli um, compro, leio, e pronto, nunca mais passo os olhos, para isso tem o Kindle Unlimited, mas gosto de ter o e-book, então enquanto não me decidir, fica como está.

Preciso ler mais sobre teclado, treinar mais nele, estudar mais, e o que não quero, mas leio muito na internet, é que tenho que decorar. Para que não é? Decorar é algo que não me agrada. Foi-se o tempo que muito decorei, agora quero aprender, associar de outra forma que não decorando, senão vai ficar difícil, os anos passaram, então… hoje à tarde passei um tempo estudando.

Estudar!
Estudar!
Estudar!

Porque é para teclado!

Esperando pelo livro físico Exercícios Para Piano e Teclados, de Vilson Rodrigues Alves, e só lamento a falta de livros impressos para Teclado, mas aceito sugestões.
Comprei alguns e-books sobre o tema, mas para aprender nada como um livro impresso.

 

Pessoa

De 1983 vem a música Pessoa, do Dalto, e deixo aqui como uma recordação daqueles tempos, e para quem viveu.

Olhar você
E não saber
Que você é a pessoa
Mais linda do mundo
E eu queria alguém
Bem no fundo do coração
Ganhar você
E não querer
É porque eu não quero
Que nada aconteça
Deve ser porque eu não ando bem da cabeça
Ou eu já cansei de acreditar
O meu medo é uma coisa assim
Que corre por fora
Entra, vai e volta sem sair
Não
Não tente me fazer feliz
Eu sei que o amor é bom demais
Mas dói demais sentir…
Você
E não saber
Que você é a pessoa
Mais linda do mundo
E eu queria alguém
Bem no fundo do coração
O meu medo é uma coisa assim
Que corre por fora
Entra, vai e volta sem sair
Não
Não tente me fazer feliz
Eu sei que o amor é bom demais
Mas dói demais sentir…
Você
E não querer
É porque eu não quero que nada aconteça
Deve ser porque
Eu não ando bem da cabeça
Ou eu já cansei de acreditar
Ou eu já cansei de acreditar
Ou eu já dancei…
O meu medo é uma coisa assim
Que corre por fora
Entra, vai e volta sem sair
Não
Não tente me fazer feliz
Eu sei que o amor é bom demais
Mas dói demais sentir…

(Dalto)

A chuva nos últimos dias é constante e forte e, os raios e trovoadas, fazem com que eu desligue tudo e me afaste do computador, de tudo que for ligado a rede elétrica, e com isso, do blog, mas hoje o sol apareceu um pouco, e eu vim postar e programar.

Ai No Corrida

De Quincy Jones

I hold you, I touch you
In a maze can’t find my way
I think you, I drink you
I’m being served you on a tray
You see girl
That’s what I go through every day
Is this the way it should feel?
Pinch me, I’m dreaming
But if it is, don’t let me know
I’m drowning, don’t save me
It’s just the way I’d like to go
You see girl
You thrill me, half kill me
That’s what you do
Ai no corrida, that’s where I am
You send me there
You dream is my command
Ai no corrida, I find myself
No other thought
Just you and nothing else
You and nothing else
Before my heart saw you
Each day was just another day
Night, the lonely interlude
Just came, then blew away
You know girl
Everything was come what may
Until you fell in my life
This spell I’m under has caught me
I’m in a daze
Your lightning and thunder
Sets my poor heart ablaze
You see girl
You thrill me, half kill me
That’s what you do
Ai no corrida, that’s where I am
You send me there
You dream is my command
Ai no corrida, I find myself
No other thought
Just you and nothing else
You and nothing else
I hold you, I touch you
In a maze can’t find my way
I think you, I drink you
I’m being served you on a tray
You see girl
That’s what I go through every day
Is this the way it should feel?
Pinch me, I’m dreaming
But if it is, don’t let me know
I’m drowning, don’t save me
It’s just the way I’d like to go
You see girl
You thrill me, half kill me
That’s what you do
Ai no corrida, that’s where I am
You send me there
You dream is my command
Ai no corrida, I find myself
No other thought
Just you and nothing else
You and nothing else
Ai no corrida, that’s where I am
You send me there
You dream is my command
Ai no corrida, I find myself
No other thought
Just you and nothing else

Memória

Um jogo que venho jogando bastante na internet, aqui no Racha Cuca. Memória um pouco cansada, jogo aberto e jogando muito, me ajuda, e entre um site e outro, abas que ficam abertas no meu computador, descanso jogando.

Não gosto de jogos, mas esse venho jogando bastante. Esse, e às vezes Paciência Spider, já joguei Problemas de Lógica, e até Palavras Cruzadas, tudo por esse site. Apenas uma dica!

Memória

Jogo da Memória (Racha-Cuca)

Jogo da Memória (Racha-Cuca)02

Figuras iguais desaparecem, e vão eliminando os quadrados.

***

Foto da capa da internet.

Brincadeiras de outros tempos

Antigamente no meu tempo de criança, e um pouco mais, as nossas brincadeiras eram mais junto à natureza ou aos amigos, também ao redor de uma mesa jogando jogos diversos, em família, não como hoje em dia diante de computadores, smartphones e/ou outras tecnologias, e vezes que outras longe das pessoas.

Cl15982 (Jogando bolinhas de gudes)

Eu gostava de brincar de esconder com os outros, jogava bolinha de gude, pauzinhos (cada participante tinha três palitos de fósforos na mão, e tinha-se que adivinhar a soma, o que acertava tirava um até zerar)  com o meu avô – lembro que esqueci de ir a uma aula no colégio, porque fiquei jogando pauzinhos com ele – jogos de tabuleiros, aos montes, pião, brincava com pernas de paus, mas o equilíbrio não era lá grande coisa, e acho que continua não sendo, andava de bicicleta, jogava pebolim, eu tinha esse jogo, com meus amigos e amigas, jogo de botão, eu até tinha o tabuleiro da Estrela. Nunca pulei corda, sempre tive medo de cair, jogava futebol com a gurizada, e vivíamos mais ao ar livre, mais em grupos, mas hoje em dia ficamos presos demais em casa e diante do que é tecnologia, seja ela qual for, claro que os tempos mudaram, a segurança não é mais a mesma, mas é outro assunto e para outro post.

Cl15987 (Pernas de pau)

Eu lembro de uma brincadeira que colocava-se as pernas dentro de um saco e uma colher na boca, e um ovo na colher e disputava-se corrida com outros, não podia-se deixar cair o ovo, claro. Se participei de uma assim, não lembro, talvez, mas lembro de um lugar onde presenciei algo assim ou participei.

Nunca soltei pandorga, mas meu irmão sim, apenas fui junto com ele e meu pai, foi um evento com outros participantes na Praia do Cassino, Rio Grande/RS, já adolescentes.

Cl15991 (Pandorgas, Pipas)

Minhas boas brincadeiras, existiram muitas outras que participei e não, são dos anos 70, não da década seguinte em diante, aí já adulto, e com o tempo vou atualizando o post.

Depois vieram os vídeos games, os computadores e a era da tecnologia, e estamos nela até os dias de hoje, não me arrependo, gosto demais, e resolvi fazer o post, post esse que começou enquanto eu tomava café num dia desses e comecei a recordar o antes e o agora, o passado e o presente. O que de bom vivemos naquela época, e o que de bom vivemos hoje.
Poderia estar melhor?
Talvez sim, talvez não, depende, vai do momento, mas me sinto bem, e essas são recordações daqueles bons anos e o que vivemos de bom nos dias de hoje.
Por ora é só!

Amii

Amii Stewart – Knock On Wood, eis a música que eu mais ouvia em 1979, e começo dos anos oitenta, inclusive em comerciais, então começo o mês recordando.

Cl15979 (Amii Stewart)

Knock On Wood
(Amii Stewart)

I don’t want to lose you, this good thing
That I got ‘cause if I do
I will surely
Surely lose a lot
‘Cause your love is better
Than any love I know
It’s like thunder and lightning
The way you love me is frightening
You better knock, knock on wood, baby

I’m not superstitious about ya
But I can’t take no chance
I got me spinnin’, baby
You know I’m in a trance
‘Cause your love is better
Than any love I know
It’s like thunder and lightning
The way you love me is frightening
You better knock, knock on wood, baby

It’s no secret about it
That woman is my loving cup
‘Cause she sees to it
That I get enough
Just one touch from here
You know it means so much
It’s like thunder and lightning
The way you love me is frightening
You better knock, knock on wood, baby

You better knock, knock, knock on wood

O Último Papa

Li nesses dias o livro O Último Papa, de Luís Miguel Rocha, mais um livro português, uma conspiração ou fato? O livro gira em torno da morte do Papa João Paulo I, uma mistura de ficção, sempre vou por aí, com realidade. Será?

Veja resenha nesse site.

Gostei do livro e vai ter continuação com o livro Bala Santa.

Sinopse:

1978

29 de Setembro de 1978. O mundo desperta sobressaltado com a notícia repentina da morte do papa João Paulo I, eleito sumo pontífice apenas 33 dias antes. A explicação oficial do Vaticano não deixa dúvida quanto à causa mortis: um enfarto fulminante decorrente do precário estado de saúde do papa.

2006.

A jornalista Sarah Monteiro volta de férias a Londres. Ao chegar em casa,encontra estranhos documentos à sua espera: uma lista em que figuram vários nomes e uma mensagem cifrada.

A partir desse momento, sua vida passa a correr riscos iminentes, e ela se vê imersa em uma trama em que estão envolvidos membros sem escrúpulos de Igreja, políticos corruptos e mercenários dispostos a vender sua alma a quem pagar mais.

Para muitos, é chegado o momento da verdade: o que realmente aconteceu durante os breves dias de pontificado de João Paulo I? Que planos foram contrariados de maneira tão abrupta naquela noite fatídica em que ele recebeu a lista secreta de nomes? E, em suma, a quem poderia interessar a morte do pontífice?

***

Desenhos do meu passado

Começo com o desenho O Urso do Cabelo Duro, que foi o desenho que eu mais gostava naquela época. Abaixo a abertura do seriado.

 

Aqui os outros desenhos de que me lembro

Corrida Maluca

Corrida Maluca

Capitão Caverna

Capitao Caverna

Brasinhas do Espaço

Brasinhas do Espaco

Banana Split

Banana Split

As Aventuras de Gulliver

As Aventuras de Gulliver

Homem-Aranha

Homem Aranha

Manda-Chuva

Manda Chuva

Os Flintstones

Os Flinstones

Papa-Léguas

Papa-Leguas

Pepe-Legal

Pepe Legal

Pernalonga

Pernalonga002

Picapau

Pica-pau

Pinóquio

Pinoquio

Popeye

A15BWT Popeye

Sansão e Golias

Sansao e Golias

Scooby & Doo

Scooby Doo

Shazzam

Shazzam

Speed Racer

Speed Racer

Tom & Jerry

Tom e Jerry002

O Urso do Cabelo Duro

O Urso do Cabelo Duro002

Zé Carioca

Ze Carioca

Esses são os desenhos que eu me lembro de ter visto, mas se por acaso lembrar de outros, editarei o post.

Vi o post do blog Felicisses e resolvi fazer um post parecido, só que com os desenhos de outra época, de minha infância.

*Imagens da internet

Algumas músicas falam

E tem um grande significado, seja pela letra, pelo instrumental, lembrança ou pelo momento presente, mas com certeza elas falam, marcaram em mim, e são tantas que não dá para escrever quais e porquê, e também porque cada qual com um sentimento que pode ser pessoal ou não, podem ser nacionais, mas a maioria são internacionais, mesmo que eu não entenda as letras, mas é o que menos importa.

Cl15288 (Musica)

Uma que sempre me recorda o passado, a primeira música que eu dancei numa discoteca, que ainda tenho forte em minhas lembranças, é Too Much Heaven dos Bee Gees.

Mas tem músicas muito atuais sim, e por uma razão ou outra, um sentimento ou outro, algo inexplicável, não sei, mas que marcou, que me marca, que mexe comigo, e às vezes eu nem sei o porquê, mas mexe mesmo comigo. Coisas da vida. Edito conforme for lembrando, ouvindo, porque tudo, também, é momento.

Este post foi editado.

Os bons anos

Ah os bons anos das discotecas, as pistas, as pessoas dançando, aquelas músicas inesquecíveis, aquele tempo mágico, então deixo abaixo letra e o link da música que ouvi hoje.

  New York By Night
(Dennis Parker)

At Studio 54 they’re waiting at the door
Can’t get in; just can’t win
Bushes n the park; shadows moving dark
Fast Romance; furtive Glance
Dancing at Flamingo; watching all the lights go
Dance With Me, a New York melody
Sitting on a rooftop
Lovers loving non-stop
Come with me; come with your fantasy

This is New York by Night
New York By Night
Filled with glamour, drama, laughter and spice
Such a Pretty City
This is New York by night
New York by night
It’s a galaxy of pleasure and pain
When the morning comes you won’t be the Same

On 42nd Street, fascinating is the beat
See soft skin up on the silver skin
On 53rd and 3rd, a dollar is the word
You better hurry kid, turn that trick!

Também tinha umas outras que eu gostava muito, e dançava também, Like An Eagle, abaixo, e I’m A Dancer.

Para Pedro

Toda a música conta um pedacinho de cada um de nós, não é isso? Então deixo a letra e o link para o letras.mus.

Para Pedro
José Mendes

Era um baile lá na serra na fazenda da Ramada
Foi por lá que um tal de Pedro se chegou de madrugada
Só escutei um zum zum, mas não sabia de nada
Só ouvia mulher gritando: “Este Pedro é uma parada”

Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para
Era o Pedro lá num canto beliscando a namorada
Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para

Quando foi lá pelas tantas que a farra estava animada
Apagaram o lampião e a bagunça formada
As velhas se revoltaram, Pedroca não é de nada
E o Pedro brigou com as velhas e deu uma peleia danada

Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para
Fazia cócega nas velhas e as velhas davam risada
Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para

Pedro foi dançar um xote com uma velha apaixonada
E surgiu o velho da velha e a coisa foi complicada
Pedro correu pelos fundos e entrou numa porta errada
As moças levaram um susto e gritavam desesperadas

Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para
Velha grudada no Pedro e o velho no Pedro agarrado
Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para
E assim foi a noite inteira até o fim da madrugada
Para Pedro, Pedro para
Para Pedro, Pedro Para
Pedro Para, Para Pedro
Para Pedro, Pedro Para

A praça

“A mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim, tudo é igual, mas estou triste, porque não tenho você perto de mim.”

Ronnie Von

Hoje eu acordei
Com saudades de você
Beijei aquela foto
Que você me ofertou
Sentei naquele banco
Da pracinha só porque
Foi lá que começou
O nosso amor…

Senti que os passarinhos
Todos me reconheceram
E eles entenderam
Toda minha solidão
Ficaram tão tristonhos
E até emudeceram
Aí então eu fiz esta canção…

A mesma praça, o mesmo banco
As mesmas flores, o mesmo jardim
Tudo é igual, mas estou triste
Porque não tenho você
Perto de mim…

Beijei aquela árvore
Tão linda onde eu
Com o meu canivete
Um coração eu desenhei
Escrevi no coração
Meu nome junto ao seu
Ser seu grande amor
Então jurei…

O guarda ainda é o mesmo
Que um dia me pegou
Roubando uma rosa amarela
Prá você
Ainda tem balanço
Tem gangorra meu amor
Crianças que não param
De correr…

A mesma praça, o mesmo banco
As mesmas flores, o mesmo jardim
Tudo é igual, mas estou triste
Porque não tenho você
Perto de mim…

Aquele bom velhinho
Pipoqueiro foi quem viu
Quando envergonhado
De namoro eu lhe falei
Ainda é o mesmo sorveteiro
Que assistiu
Ao primeiro beijo
Que eu lhe dei…

A gente vai crescendo
Vai crescendo
E o tempo passa
E nunca esquece a felicidade
Que encontrou
Sempre eu vou lembrar
Do nosso banco lá da praça
Foi lá que começou
O nosso amor…

A mesma praça, o mesmo banco
As mesmas flores, o mesmo jardim
Tudo é igual, mas estou triste
Porque não tenho você
Perto de mim…(2X)

“A gente vai crescendo, vai crescendo e o tempo passa…”

Cl15257 (Ronnie Von)

Ele quando jovem e nos tempos atuais.

A Praça é uma das canções inesquecíveis, ou para mim é, e quanto a frase acima, inevitável, comigo, com todos, coisas da vida, por isso a destaquei.

E até agora…

Foi lido apenas um livro, e ainda comprado no mês passado, claro que eu tenho listas de livros, assim como dois para ler, mas no momento, até agora, abril não vem sendo o mês da leitura, e para falar a verdade, nem todos os meses a meta será alcançada, mas ainda faltam dezoito, agora com este dia já quase passado, dezessete dias.
Aqui na praia vou todos os dias até o trapiche, e não fui naquele dia que a água recuou causando um efeito bonito e aquela foto linda, foto que vi pelo jornal local.
E a partir de hoje saindo não só com o smartphone, mas depois desse fenômeno voltando a carregar minha câmera Nikon. Vá que aconteça outro fenômeno, e de tempos em tempos acontece mesmo, mas tenho que ficar mais atento para não perder as boas fotos.

Gostava muito do grupo Os Originais do Samba, e mais da música A Dona do Primeiro Andar, mas tantas foram as músicas de sucesso deles ao longo daqueles anos que nunca esqueci, e deixo no post anterior Se Gritar Pega Ladrão, mas também outras do mesmo grupo, ou dos mesmos componentes daquela época, pois o grupo segue firme, mas com novas caras.
Músicas que eu gostava de ouvir também, Casa de Bamba, É Preciso Cantar, Saudosa Maloca, e claro a música do post Se Gritar Pega Ladrão, e outras que não lembro mais, coisas do tempo.
O grupo Os Originais do Samba estão há cinquenta anos na estrada, mas não sabia que seguiam firme. Leia no meu post anterior, no Wikipedia, mais sobre eles, aos que se se interessarem.
O tempo passa para todos nós, essa é a verdade!

Estúpido Cupido

Célia Benelli Campello, cujo nome artístico era Celly Campello, foi uma cantora e precursora do rock no Brasil. Também fez uma participação como atriz na novela Estúpido Cupido.

Cl15221 (Celly Campello)

Celly Campello

Cl15223 (Estupido Cupido)

Estúpido Cupido
Celly Campello

Oh! oh! Cupido!
Vê se deixa em paz
(Oh! oh! Cupido!)
Meu coração que
Já não pode amar
(Oh! oh! Cupido!)
Eu amei há
Muito tempo atrás
(Oh! oh! Cupido!)
Já cansei de
Tanto soluçar
(Oh! oh! Cupido!)

Hei, hei, é o fim
Oh! oh! cupido!
Pra longe de mim
(Oh! oh! Cupido!)

Eu dei meu coração
A um belo rapaz
(Oh! oh! Cupido!)
Que prometeu me amar
E me fazer feliz
(Oh! oh! Cupido!)
Porém, ele
Me passou prá trás
(Oh! oh! Cupido!)
Meu beijo recusou
E meu amor não quis
(Oh! oh! Cupido!)

Hei, hei, é o fim
Oh! oh! cupido!
Pra longe de mim
(Oh! oh! Cupido!)

Não fira um coração
Cansado de chorar
A flecha do amor
Só traz
Angústia e a dor
(Oh! oh! Cupido!)

Mas, seu cupido
O meu coração
(Oh! oh! Cupido!)
Não quer saber
De mais uma paixão
(Oh! oh! Cupido!)
Por favor
Vê se me deixa em paz
(Oh! oh! Cupido!)
Meu pobre coração
Já não aguenta mais
(Oh! oh! Cupido!)

Hei, hei, é o fim
Oh! oh! cupido
Pra longe de mim

(Oh! oh! Cupido!)
Mas, seu cupido
O meu coração
(Oh! oh! Cupido!)
Não quer saber
De mais uma paixão
(Oh! oh! Cupido!)
Por favor, vê se
Me deixa em paz
(Oh! oh! Cupido!)
Meu pobre coração
Já não agüenta mais
(Oh! oh! Cupido!)

Hei, hei, é o fim
Oh! oh! cupido
Pra longe de mim
(Oh! oh! Cupido!)
Hei, hei, é o fim
Oh! oh! cupido
Pra longe de mim
Oh, oh, cupido! Oh! oh! Cupido!
Oh! oh! Cupido! Oh! oh! Cupido!

 Cl15224 (Estupido Cupido)

Estúpido Cupido é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 19 horas entre 25 de agosto de 1976 a 28 de fevereiro de 1977. Siga lendo em Wikipedia.

Uma historinha

No passado eu e meu irmão comprávamos a mesma roupa com diferença de números, eu não gostava nem um pouco, e um dia, no Rio de Janeiro, quando fomos a passeio, numa das viagens ao Rio, ele me levou até uma loja para mostrar um tênis, Topper, que ele queria comprar, show de bola, era lindo demais aquele tênis, então nos separamos no passeio, voltei ao apartamento e primeiro que ele a loja, e em nossa disputa pessoal de quem compra o que e quando, acabei comprando o tênis, e só tinha aquele modelo, mas ele acabou comprando outro, bonito também, e no final, se não foi o desejado, também não saiu atrás. Recorri a essa historinha porque foi parte do meu comentário ao post da Julia Rolim.
Então Julia, está aí a história toda. Por isso do “kkkkk” no meu comentário. Ele me sacaneou, eu o sacaneei, mas somos grandes amigos, e naquela época também.
Um beijão!

Blogs do WordPress

Um dos meus problemas sempre, antes no Blogger e agora no WordPress, é associar o nome do blog ao nome da pessoa dono do mesmo. Então foi o arquivo que eu criei agora à noite, com alguns dados a mais fornecidos no “Sobre” de cada um. Apenas uma forma de me organizar por aqui, e passar o tempo. O nome do arquivo criado, e também do post aqui, é Blogs do WordPress.

E este é um espaço apenas para eu escrever o que gosto, e fazer amizades como também aprender um pouquinho mais. Mais sobre mim, e não forneço muitos dados, no Sobre aqui do meu blog, e estou em algumas redes sociais, então visite o menu Redes Sociais.

É isto aí aos que visitarem esse meu post.

No Blogger, ou seja, Blogspot, eu tinha uma assinatura, feita em um site, aqui fica o meu nome, Mauro Souza. Obrigado, e sejam bem-vindos!

O capitão do tri

Adeus Carlos Alberto Torres, o capitão do tricampeonato no México, morreu aos setenta e dois anos de idade de um enfarte fulminante.

cl14528-carlos-alberto-torres

Eu tinha dez anos na copa de 70, e como aquela seleção nenhuma mais, pois os caras jogavam por mágica, aqueles sim podíamos chamar de craques, aqueles, e lembro a rua General Osório, aqui em Pelotas, lotada, eu um ser pequenino no fusquinha do meu pai, já falecido, com ele, minha mãe e meu irmão comemorando aquele triunfo de nosso selecionado, junto a tantas outras famílias em seus carros que formavam aquela caravana toda com suas bandeiras por toda a cidade, lembranças que voltam hoje com a triste notícia da morte do nosso capitão.

Foi-se mais um ídolo!

Que vá em paz!