Chove chuva

Criei o post numa época que por aqui só vem chovendo, aliás estava chovendo quando o programei, e continua, e comecei a cantar a música, e resolvi postar, até porque não a tinha nos posts do meu blog.

Cl16535 (Jorge Benjor)
Chove chuva
Chove sem parar
Chove chuva
Chove sem parar
Pois eu vou fazer uma prece
Pra Deus, nosso Senhor
Pra chuva parar
De molhar o meu divino amor
Que é muito lindo
É mais que o infinito
É puro e belo
Inocente como a flor
Por favor, chuva ruim
Não molhe mais
O meu amor assim
Por favor, chuva ruim
Não molhe mais
O meu amor assim
Chove chuva
Chove sem parar
Chove chuva
Chove sem parar
Sacundim, sacundém
Imboró, congá
Dombim, dombém
Agouê, obá
Sacundim, sacundém
Imboró, congá
Dombim, dombém
Agouê
Agouê, oh! oh! oh! obá
Agouê, oh! oh! oh! obá
Agouê, oh! oh! oh! obá

(Jorge Benjor)

Anúncios

Dia das mães

Hoje domingo, 12/05, é o Dia das Mães, nossas carinhosas e amadas mães, presentes ou não.

Cl16529 (Rosas)

A minha segue hospitalizada.
O médico queria dar alta nesses dias, mas prefiro que quando ela saia, saia bem e pronta para seguir com seu tratamento em casa, e possa se cuidar bem.
Desejo a minha mãe e a todas as mães um domingo cheio de paz e amor e muita saúde, e que Deus abençoe a todas elas.

Mãe é tudo para cada um de nós, Mãe é vida, pelo menos a nossa, a de cada um, é alimento, é carinho, caminho, abraço. Eu amo a minha, e cada um de nós, a sua. Viva o Dia das Mães.
(Comentário que fiz no Pitacos e Achados e resolvi reproduzir em meu blog)

Um Feliz e Abençoado Dia das Mães!!!

Smartphones

Samsung, Motorola ou Apple?

Tenho um Samsung, mas acho que chegou a hora de mudar, retornar para o Motorola ou comprar um Iphone, mas os preços diferem, e bem, e hoje em dia não compro um aparelho desses pelo telefone, mas pela câmera fotográfica, mais prática, e a qualquer momento, depois da foto batida, posso postar na internet, diferente da câmera fotográfica, que tenho que passar as fotos para o computador, editá-las e só depois postá-las.

E os recursos são variados, mas muito do que oferecem, em função de países ou regiões podem não funcionar, outras opções são betas, então nem toda a beleza tem-se mesmo, e a funcionalidade da bateria vai de acordo do como usamos.

Tirando essas informações aí em cima, ainda na dúvida.
Sempre usei Android, que uma mudança agora para um outro sistema não sei se vai ser legal, se vou me adaptar.

Minhas câmeras, em minhas mãos, infelizmente, tremem, motivo que me desinteressei um pouco pela fotografia, não era assim, mas continuo fotografando com um celular, leia-se smartphone, em mãos. Pode não sair aquela beleza, aquela nitidez toda que vejo nas mãos dos outros, mas do meu jeito faço a foto e posto. E não vou deixar de fotografar.

Outra coisa é que tenho que aprender melhor a usar os recursos oferecidos pelo smartphone, e também, e principalmente, na parte fotográfica, assim como no todo.

Então lendo aqui, em dúvidas sobre o que posso adquirir, se for adquirir mesmo, claro, e resolvi postar. Quem sabe os amigos aqui podem dar sugestões, e tirarem minhas dúvidas.

Valeu!

 

Uma foto

Chegando em Balneário Camboriú, numa das fotos feitas em Santa Catarina. Olhando, editando, postando.

Balneário Camboriú

Os dois dias que estivemos por lá foram dias de chuvas, ruim para caminhar na rua, despreparados e sem guardas chuvas, e nas duas vezes, acabamos no Atlântico Shopping.

 

Bruxas de Itaguaçu

Conta a lenda que as bruxas de Itaguaçu (Ita = pedra, Guaçu = grande), na região dos Coqueiros, em Florianópolis, queriam fazer uma festa bem bonita e cheia de convidados, e não queriam convidar o diabo porque teriam que lamber o rabo que era mal cheiroso, cheirava a enxofre, além dele ser antissocial, e elas fizeram a festa e ele apareceu, e como castigo transformou-as em pedras grandes.
Procurem a história na internet, mas quem me contou parte dela foi a minha cunhada.

Recanto das Pedras

Décimo terceiro e quarto dia

Itapema 23 e 24 de março de 2019

Hoje não saímos, eu e minha mãe, já os outros deram uma voltinha e pegaram praia.

À tarde estava combinado umas visitas para receber e foi um prazer recebê-las.
João, Arlete, Bruna e sua filha Isabela, depois Roberta e sua filha Júlia. Fazia um tempo que a gente não via nenhum deles, e a conversa rendeu.
Com as despedidas fomos também arrumar nossas malas para pisar a estrada no domingo, e o dia chegou.
Saímos às 07h19 do apartamento em que estávamos alugado e depois de abastecermos os carros, gasolina bem mais barata por lá, pegamos a estrada, paramos umas quatro ou cinco vezes, os dois carros e seus ocupantes.
Meu irmão e cunhada dirigem muito bem, mas fazer a viagem direto para eles, cansa. Eu vinha atrás fotografando o que podia. Nessa viagem meu apelido poderia ser fotografia, se tirava bem ou não, era outra coisa, mas eu me diverti, mas também sentado numa mesma posição por muito tempo atrapalha, dói, não é?
Acho que todos chegamos um pouco ruim, corporalmente falando. Agora é fazer o que tem a fazer por aqui, exames também, e aguardar os próximos meses.

Vamos ver!

Quando estávamos próximos de Porto Alegre, meu irmão me chamou a atenção em relação a Arena Grêmio, passamos na frente, e tirei algumas fotos do estádio do meu time mais querido, e único, o Grêmio Football Porto Alegrense, meu tricolor.

Arena do Grêmio

Falando em futebol, o Grêmio foi a Caxias e visitou o Juventude, nesse domingo, 24.03.2019, e amassou o time da serra, Juventude 0 X 6 Grêmio. O Ju jogou com dez devido a uma falta violenta, mas quando estavam iguais o time da capital estava melhor que seu adversário. E pode perder por cinco gols e seguir adiante, mas acredito que jogando em casa fará uma boa partida.
Nunca gosto de achar que já ganhou, nem mesmo com o placar extenso. Sempre tem um outro jogo, mas acredito no Grêmio.
Vem jogando bem.
Pelo menos no Campeonato Gaúcho.

***

Já a Libertadores 2019, é outra história.

Décimo segundo dia

Itapema, 22 de março de 2019

Saímos por volta das 11h para Balneário Camboriú, fomos almoçar no Atlântico Shopping, e fazer algumas comprinhas, mas quando entramos na orla de Balneário Camboriú avistamos um transatlântico ancorado, tirei muitas fotos, claro, de smartphone.

Transatlântico02

Meu irmão comprou um tênis e minha mãe um presente, e só.
De volta a Itapema fiz dois vídeos, mas o som do meu celular, J5 Pro da Samsung, deixou a desejar, e algumas fotos e selfies.
Nosso passeio vai chegando ao fim.
Amanhã ficamos por aqui arrumando nossas malas e a espera de visitantes, amigos de uma época muito boa, e domingo, de manhã cedo, pegamos a estrada rumo a Pelotas.

Aguardando o nosso retorno em novembro, por aqui, se Deus quiser.

Décimo primeiro dia

Itapema, 21 de março de 2019

Hoje ficamos em Itapema, saímos para almoçar pelas 10h30.
Almoçamos em dois lugares, eu, minha mãe e irmão no Cabral Restaurante, porque minha mãe queria um risoto de camarão, e que camarão, pelo tamanho e gosto. Já a dupla, Marieli e Cláudia, foram em um restaurante de carne, também de carne, o Xizito, que faz uns lanches bons demais.
No Cabral enquanto esperava o nosso pedido fiz muitas fotos, 71, meu irmão também fez suas fotos, mas acho que ninguém me supera na quantidade tirada num passeio. Uma amiga foi viajar e fez cerca de dez, vinte, cinquenta fotos. Poucas, não é? Para mim é.
Muita beleza para onde apontava meu smartphone.

Itapema

Itapema é muito linda!
Depois que saímos dali fomos a Meia Praia passear, dar uma volta de carro, e voltamos como fomos, pois foi um passeio rápido.
Por fim editamos as fotos e cada um de nós, eu, meu irmão e sua namorada, após os ajustes finais, colocamos nossas fotos na rede social.

Décimo dia

Itapema, 20 de março de 2019

Hoje não saímos, ficamos em casa e comemos um churrasco bom demais feito pelo meu irmão.
Na madrugada olhando as minhas fotos, resolvi baixar um aplicativo para desfocar as fotos, e o escolhido foi o Fundo Desfocado DSLR.
Desfoquei apenas uma foto.

Hoje o mar está violento e subiu um pouco.
Hoje também olhamos outro apartamento. Voltamos em novembro, se Deus quiser e permitir.
E nesses dias minhas ferramentas de trabalho tem sido minhas câmeras e os velhos e antigos caderno e caneta.
Como estão nessas linhas, assim também reproduzirei em meu blog. É isso.

Oitavo e nono dia

Itapema, 18 e 19 de março de 2019.

Dia 18, ficamos o dia todo em casa, um dia de descanso.

O nono dia

Hoje fomos a Florianópolis para visitar meus amigos, amigos do meu irmão e minha mãe, Marcelo e Paulo, amigos de longos anos, e outros pontos turísticos como as principais praias, mas só visitamos e fotografamos com os amigos.
Chegarmos até eles foi uma viagem, isso depois de muitos erros no trânsito. Perguntas aqui e ali, e nem mesmo o programa do GPS ajudando. Já até havíamos desistido de localizá-los quando um dos amigos foi ao nosso encontro, e dali até o destino.
Após aquela parada rápida com eles, algumas fotos e conversas, foi um outro parto para sair de Floripa. Eu não dirigi em nenhum momento enquanto em viagem por Santa Catarina.
Fiquei com a vontade de conhecer Jurerê Internacional, não pela praia, porque não tenho interesse por praias, mas pelo lugar, e pretendo voltar, mas na direção com gente que tenha e goste de dirigir nessa cidade, Florianópolis.
Chegamos em Itapema e de cara, do outro lado, em Porto Belo, avistamos um transatlântico ancorado.
Foto com o smartphone.

Transatlântico01

Almoçamos no Tapera Restaurante Pizzaria por volta das 15h, e dali para o apartamento.
Agora, 18h25, quando vim escrever o post do dia, cheguei na sacada e o navio não foi mais visto, zarpou.
Fotos do dia já na rede social.

Nosso sétimo dia

Itapema, 17 de março de 2019

Hoje acordei sabendo que seríamos visitados por uma amiga de Balneário Camboriú, mas fomos nós que fomos ao encontro dela em Meia Praia, onde pude conhecê-la ao vivo, até então só pela internet, só pelo Facebook.
Almoçamos todos juntos no Dona Adda Restaurante, conversamos um pouco, ainda no restaurante, e eles seguiram até o McDonald’s para um sorvete.
Fiquei no carro com minha mãe, mas ao olhar para o lado vi que havia uma sorveteria de nome Sorveteria Cremoso, e na vitrine o desenho do sorvete banana split.
Desci do carro e foi o sorvete que pedi, assim como pedi também, que me tirassem uma foto comendo, foto já na rede social.

Banana Split

Assim que chegou o sorvete eu bati esta foto, mas as tiradas de mim comendo o mesmo, foram feitas pelo funcionário. Na rede social Instagram e Facebook.

Sexto dia

Itapema, 16 de março de 2019

Hoje meu irmão, sua namorada, o filho e o neto dela, saíram cedo para a praia, eu, minha mãe e Cláudia ficamos em casa.
Mais tarde todo o grupo saiu junto para almoçar no Tapera Restaurante Pizzaria.
Após fomos a Meia Praia em busca de um doce para o grupo.
E após saciar-nos, ainda em Meia Praia, fomos comprar um tênis para a minha mãe na Pé Na Areia, e camiseta para mim, Cláudia e Tânia na INNR.

De olho no passeio do Barco Pirata, e já com o folder em mãos.

Barco Pirata

Ainda não fiz o passeio e nem sei se farei, não gosto do mar, mas volto este ano com as bênçãos de Deus, e quem sabe o que pode acontecer. É uma aventura, mais um lugar para visitar e fotografar, porque mergulhar, com certeza, não.

Quinto dia

Itapema, 15 de março de 2019

Hoje saímos por volta das 11h da manhã e fomos procurar um restaurante porque eu estava com uma vontade louca de comer camarão à milanesa.
Paramos no fim da Orla de Itapema e como restaurante escolhido o Tapera Restaurante Pizzaria.
Tapera era o antigo nome de Itapema, que veio a tornar-se Itapema somente em 1962. Foi no restaurante que explicaram o nome do restaurante e o porquê.

O nome de Itapema é uma junção de duas palavras na língua tupi-guarani: ita significa pedra, e pema, gavião ou ave. Fonte: Itapema.

No Tapera fomos muito bem atendidos e o preço como a comida, bons. Voltamos amanhã, e já deixamos a mesa reservada.

Saí do Tapera depois de pagar a conta e fui fotografar, os outros ficaram conversando, enquanto eu atravessei a rua e fui até a Ponte de Pedra. A minha sorte é que o restaurante e a ponte ficavam próximos, meia quadra de distância.

Ponte de Pedras

Ao terminar de fazer as fotos seguimos para a Havan onde fizemos nossas compras, fomos bem atendidos, minha mãe principalmente, pois inverteram a escada rolante e transformaram numa rampa por onde a cadeira de rodas subiu, e todos nós com ela, e saímos da mesma forma, porém um senão. Entramos pela garagem e para subir para o primeiro andar somente pela rampa, e do primeiro para o segundo aí tem elevador, mas do primeiro para a garagem, descer a rampa com um cadeirante é muito perigoso. Foi necessário meu irmão e dois funcionários da loja. Graças a Deus a descida foi tranquila, mas sob tensão para quem tinha a responsabilidade de protegê-la. Poderiam pensar nas pessoas deficientes em casos assim.

Percebo que por aqui, Itapema e outras cidades visitadas não estão preparadas para lidar com pessoas deficientes, até tem projeto de rampas em alguns lugares, mas rampa como apresentam é nada.
Ao invés de ajudar o cadeirante colocam a vida deles em perigo.

E dali viemos para casa descansar enquanto eu escrevo nesse momento.

Ao entardecer recebemos a visita de Magno e seu filho Benício, filho e neto de Marieli. Ficaram conosco por dois dias.

O quarto dia

Itapema, 14 de março de 2019

Hoje saímos hoje cedo em direção a Porto Belo, Bombas, Bombinhas e Mariscal. Dos lugares que passei, poucos gostei e fotografei. O veleiro em Porto Belo com Itapema ao fundo e o mirante em Bombinhas.
Achei o centro de Bombinhas razoável, e só, ouvi falar mais dessa praia, e esperava mais.
Gostei também, mais que todas, de Mariscal, já até havíamos desistido do passeio de subir e descer morros, mas o segundo carro, o Mercedes, passou por nós tomando a dianteira, e tivemos que segui-las.
E descobrimos um lugar bonito.
Almoçamos ali no Paraíso dos Sabores. Comida boa, mas cara.
Após fiz algumas fotos, e fomos embora.

Mariscal

Uma das fotos de Mariscal tiradas do alto do morro.

Mariscal002a

 

Nosso primeiro dia

Vou reproduzir tal qual minhas anotações.

Itapema, 11 de março de 2019

Hoje foi nosso primeiro dia aqui em Itapema/SC. De manhã fomos a Meia Praia, porque precisei ir ao banco, e inacreditavelmente, Itapema/SC, cidade turística, só tem três pontos para tal, e as filas são de assustar.
Almoçamos em Meia Praia, no Dona Adda Restaurante, e depois nós cinco retornamos para Itapema, onde meu irmão, um dos motoristas, dirigindo meu C3, nos conduziu pela praia. O outro é a minha cunhada, na caminhonete ML 350 da Mercedes.
E meu irmão me deu aquela surpresa, logo no primeiro dia, fomos ao Mirante do Encanto.
Subimos o morro com 156 metros de altura, e o Mirante de 26 metros.
Meu irmão e minha mãe ficaram no carro, já eu, Marieli e Cláudia, pegamos o elevador panorâmico, e subimos. Confesso, fechei os olhos, mas quando saí lá em cima, 182 metros acima, sem palavras.
Foto nenhuma captura a vista lá de baixo, de Itapema.
Eu comecei a tremer e mal consegui segurar a Nikon e fotografar. As minhas fotos não sei como saíram, mas subi, vi e do meu jeito fiz as fotos.
Aí uma moça do Paraná, que estava com a família, pediu a câmera e fez aquelas fotos maravilhosas, de gente que não tem medo de altura, nem treme. Vai ser a foto de capa do Facebook.
Meu obrigado a ela, pela foto, e a minha cunhada pelas fotos tiradas de mim.

Itapema001 (Moca Paranaense)

A foto que coloquei como capa do meu Facebook.

Fomos em dois carros por necessidade, precisamos levar coisas que no meu carro não entrava, e assim o Citroen C3 e a Mercedes Benz saíam sempre juntos para qualquer lugar.
Nos divertimos bastante.
Que venha o próximo passeio, com a graça e proteção de Deus.

Partida Sta. Catarina

Pelotas, 10 de março de 2019

Saímos da Praia do Laranjal às 5h30 da manhã e chegamos às 20h.
Viajamos em cinco pessoas, eu, meu irmão e minha mãe num carro manual, Citroen C3, e a namorada do meu irmão e a acompanhante de minha mãe numa Mercedes Benz ML 350 automática.
Motoristas da viagem, Alvaro e Marieli.

Paramos no Paradouro Gral no RGS para descansarmos um pouco.
Abastecemos nossos carros ao longo da viagem umas quatro vezes para não deixar o tanque ficar vazio, nem na reserva.
Ainda no RGS paramos em Maquiné onde fiz algumas fotos, pois não conhecia o lugar.

Maquiné2

Já em Santa Catarina paramos na Havan de Araranguá onde almoçamos e fizemos compras. Depois dali seguimos viagem e só fomos chegar a Itapema à noite, mas foi uma viagem bonita e tranquila, porém cansativa.

O céu

Tirei essa foto do céu, aqui na praia do Laranjal, Pelotas/RS, usando um Motorola XT 1069, e resolvi postar. Não sei se pela primeira vez aqui ou de novo, mas acho que é a primeira.

Ceu_Laranjal

Cores

Se é para falar de cores, que seja de azul, principalmente, branco e preto, um trio de cores que lembra o meu Grêmio, que começou 2019 jogando bem, e que continue assim, amarelo, verde, laranja, até mesmo branco que nunca aparece aqui no meu blog, pois tem, por escolha minha, fundo branco, mas vermelho nunca, somente se for a cor de um carro, nem de clube de futebol e jamais de partido político.
Ultimamente o carro vermelhinho de milhões de dólares, no Brasil, a Ferrari, não tem o meu gosto, por mais linda que seja, e é, já que me encantei há algum tempo atrás pela Lamborghini, de tantos posts aqui, mas que não deixa de ser um sonho longe demais, para mim.
Nesse domingo o Grêmio disputa a Recopa Gaúcha contra o Avenida, inicialmente, pelos noticiários, o primeiro com o time principal e o segundo com os reservas, pois não se importa com o jogo.
Vamos ver!

Grêmio 6 X 0 Avenida, Grêmio campeão da Recopa Gaúcha.

Ao Flamengo e familiares das vítimas os meus sentimentos.
Mais uma tragédia em 2019 que assola o país.
Até quando?

Pesquisa

Aqui em Pelotas, no bairro Laranjal, nossa praia, há uma avenida chamada José Maria da Fontoura, inicialmente encontrei um blog chamado Blog Sangue Palmeiro, mas não se trata do mesmo, ao que parece, pois sigo investigando e este acho que é daqui mesmo.
Editei o blog, e paro por aqui.
Volto a postar quando tiver o conteúdo em mãos.

Quis apenas deixar registrado em meu blog e deixei essas poucas linhas. Se eu encontrar mais a respeito ou se meus amigos souberem mais, me informem. Obrigado.

Novelas dos anos 60 e 70

Algumas novelas que eu lembro que vi, na minha época de noveleiro, da Globo, A Ponte dos Suspiros, Pigmalião 70, Irmãos Coragem, Selva de Pedra, O Bem-Amado, Gabriela, Dona Xepa, Dancin’ Days, Pai Herói.
Segui vendo novelas por mais algumas décadas, mas faz uns quinze, vinte anos que deixei de vê-las.
Troquei qualquer tipo de novelas por séries e filmes.
Não concordo com um vilão fazendo o mal do começo ao final, como nas novelas atuais.
Já vi muitas novelas boas ao longo dos anos, e fui parando quando o disco das novelas começou a arranhar, mesmas cenas, histórias, maldades, etc., mas isso para mim. Muita gente vê, eu não quero mais.
Quando começo a ver um filme que é ruim, que não estou gostando, simplesmente mudo de canal, não me prendo por meses a fio numa história chata e repetitiva.

Elenco da novela Pigmalião 70

Sérgio Cardoso, Tônia Carrero, Susana Vieira, Felipe Carone, Betty Faria, Herval Rossano, Jece Valadão, Eloísa Mafalda, Ida Gomes, Célia Biar, Sérgio Viotti, Carmen Silva, e outros; direção de Régis Cardoso.

cl1635028pigmalic3a3o7029Com Tônia Carrero e Sérgio Cardoso.

Tentei procurar a abertura da novela, lembro de um carrinho conversível circulando pelas ruas enquanto tocava o tema da novela, mas não encontrei na internet.

E na Rede Tupi, anos 60, meus pais, com certeza, viram Antônio Maria, eu tenho lembranças desse nome, pois foi ao ar em 1969, e Nino O Italianinho, de ouvir minha mãe falar, não lembro de ter visto, mas na pesquisa do Wikipedia, essas duas novelas me chamaram a atenção.

 

De novo

Não gosto de escrever sobre acidentes, mas os discursos quando eles acontecem são sempre os mesmos, e depois, mas a ação, não. Se perdem com o tempo. Tam 3054, Boate Kiss, Mariana, talvez outros, e agora, Brumadinho.
Quantos outros acidentes serão necessários para mudar o discurso e melhorar a ação, fiscalizar de fato, não deixar cair no esquecimento, ou escutar outros que não deixem o fato ser esquecido.
Quantos?
Eu espero que mudem, que criem leis, que fiscalizem de fato, e sempre, que protejam a vida humana, e que novas tragédias como essas não voltem a acontecer.

Sonho Tropical

Luar do sertão, noite de verão
Relógio quebrado, bolhas de sabão
Pés descalços, chuva fininha, beijo molhado
Canto de mainha, sol

Chamei, eu chamei
Chamei, eu chamei

Samba de roda, frevo e baião
Pé de fogueira, bolo de aipim
Boca-do-rio
Banho de cuia, bolha de sabão,
Canto de rua, cheiro de capim
Conversa a fio

Água-de-cheiro, brisa do mar
Pé-de-moleque, cores, navegar
Areia branca,verde coqueiral
Cocada preta, chuva tropical

Chuva fininha, noite de verão
Terra molhada, cama de cetim
Lembrança boa
Beira de rio, noite de são joão
Língua salgada, boca de carmim
Risada à toa

Chamei
Água de coco e dendê
Chamei
Yemanjá, nanã, valei
Chamei
Mexi o corpo e sambei
Chamei
Timbales, congas do ilê

Samba-de-roda, frevo baião
Jeito de corpo, meus pés no chão
Sexto sentido, língua no ouvido
Coração partido, bola de cristal

Chuva fininha noite de verão
Terra molhada, cama de cetim
Lembrança boa
Beira de rio, noite de são joão
Língua salgada, boca de carmim
Risada à toa

Chamei
Água de coco e dendê
Chamei
Yemanjá , nanã, valei
Chamei
Mexi o corpo e sambei
Chamei
Timbales, congas do ilê

Barquinho de papel, sopa no mel
Rouxinol cantando, paisagem tropical
Trem perdido, destino mudado
Coração alado, vento vendaval

Luar do sertão, noite de verão
Relógio quebrado, bolhas de sabão
Pés descalços, chuva fininha, beijo molhado
Carretel de linha

Chamei
Água de coco e dendê
Chamei
Yemanjá , nanã, valei
Chamei
Mexi o corpo e sambei
Chamei
Timbales, congas do ilê

Chamei, eu chamei
Chamei, eu chamei
Chamei, eu chamei
Chamei, eu chamei

(Rosa Emília Dias)

cl16293 (rosa emilia dias)

Whisky À Go-go

Whisky à go-go
Roupa Nova

Foi numa festa, gelo e cuba-libre
E na vitrola whisky a go-go
À meia luz o som do Johnny Rivers
Aquele tempo que você sonhou
Senti na pele a tua energia
Quando peguei de leve a tua mão
A noite inteira passa num segundo
O tempo voa mais do que a canção
Quase no fim da festa
Num beijo, então, você se rendeu
Na minha fantasia
O mundo era você e eu
Eu perguntava Do You Wanna Dance?
E te abraçava Do You Wanna Dance?
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Eu perguntava Do You Wanna Dance?
E te abraçava Do You Wanna Dance?
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Foi numa festa, gelo e cuba-libre
E na vitrola whisky a go-go
À meia luz o som do Johnny Rivers
Aquele tempo que você sonhou
Senti na pele a tua energia
Quando peguei de leve a tua mão
A noite inteira passa num segundo
O tempo voa mais do que a canção
Quase no fim da festa
Num beijo, então, você se rendeu
Na minha fantasia
O mundo era você e eu
Eu perguntava Do You Wanna Dance?
E te abraçava Do You Wanna Dance?
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Eu perguntava Do You Wanna Dance?
E te abraçava Do You Wanna Dance?
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Hei, hei, hei hei hei
Hei, hei, hei hei hei
Hei, hei, ho, ho, hei, hei, ho, hei, ho
Eu perguntava Do You Wanna Dance?
E te abraçava Do You Wanna Dance?
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Eu perguntava Do You Wanna Dance?
E te abraçava Do You Wanna Dance?
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal
Lembrar você
Um sonho a mais não faz mal

cl16284(roupa nova)Roupa Nova

Boas lembranças

 

Para nunca mais esquecer, e mostrar qual a melhor música do carnaval, para pular e dançar, mesmo que os tempos, hoje em dia, sejam outros, a música de antigamente, as marchinhas, para mim não tem igual.